Filtro de projetos
Todos Projetos InternosProjetos Externos
pcd
Programa de Inclusão

Para suprir a demanda de profissionais com algum tipo de deficiência na área de TI, aliada a um dos nossos valores, que é a valorização de pessoas, criamos, em novembro de 2014, o Programa de Inclusão e Capacitação de PCD. Esse programa traduz a nossa preocupação em incluir e integrar efetivamente a pessoa com deficiência, pensando nos ganhos econômicos e sociais e deixando de observar apenas a obrigatoriedade prevista pela legislação brasileira (Lei 8.213 de 24 de julho 1991). Outra motivação é aproveitar o potencial de cada um na área tecnológica, com a intenção de qualificar o colaborador para o trabalho que será desenvolvido na empresa.

O programa pretende criar equipes especializadas que serão referência para as demais pessoas com deficiência que ingressarem na empresa. O processo passa pela seleção, admissão e capacitação assistida, com o intuito de garantir a máxima adaptação dos colaboradores.

Resultados do programa:

  • Criação de um modelo de capacitação e de padrões para a pessoa com deficiência se adaptar mais rapidamente à empresa e às atividades da equipe;
  • Inclusão efetiva de pessoas com deficiência em nosso negócio;
  • Acompanhamento do desenvolvimento do profissional nas partes técnica e social;
  • Criação de equipes especializadas, composta por pessoas com deficiência, que serão referência para as demais pessoas com deficiência que ingressarem na empresa;
  • Confecção e divulgação de impacto do projeto (no usuário, no negócio e na preparação para o futuro).

Ações de conscientização internas:

  • Apresentação do programa de inclusão para as equipes – as apresentações estão sendo feitas gradativamente;
  • Alinhamento com as equipes envolvidas;
  • Divulgação das ações e novidades nos canais de comunicação internos;
  • Confecção e divulgação de vídeo institucional.

 

 

On Course
On Course

Conhecimento técnico sem barreiras. Esta é a proposta da plataforma On Course, lançado pela Softplan nesse mês de agosto. O On Course será como uma sala de aula virtual para capacitação profissional na área de TI. A iniciativa, totalmente aberta à sociedade, oferece cursos e materiais gratuitos na área de tecnologia, e visa contribuir com a formação profissional na comunidade.

O ambiente foi pensado para compartilhar o conhecimento técnico especializado e contribuir para o desenvolvimento dos profissionais de TI. O grande destaque é o curso de Java EE (Enterprise Edition), treinamento abrangente e de elevado nível técnico, e que não se encontra gratuitamente no mercado. Também é possível assistir a Tech Talks (sessões técnicas rápidas) sobre temas variados, como Javascript, Hibernate e Certificação Digital, além de aprender dicas de programação em cursos e vídeos online. “A iniciativa pretende auxiliar os interessados em ampliar o seu conhecimento em TI, oferecendo cursos online e gratuitos para quem deseja se especializar ou melhorar a sua qualificação para o mercado de trabalho”, destaca Marcos Florão, gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Softplan, um dos mentores da iniciativa.

“Para nós o On Course também representa uma importante inovação social. Ao compartilhar conhecimento de forma aberta, livre e gratuita, acreditamos estar contribuindo para a melhoria e o avanço da nossa sociedade. Somos uma empresa que quer fazer diferença na vida das pessoas, e o On Course é mais um passo nesta direção”, completa o Gerente de P&D.

O setor de TI, de acordo com a pesquisa Radar – Tecnologia, Produção e Comércio Exterior, divulgada em 2013 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), aparece como uma das 10 carreiras de nível superior com maior expansão de vagas no Brasil. Entre 2009 e 2012 de cada cem novas vagas de nível superior abertas, 16 eram de Tecnologia da Informação. “O mercado busca profissionais cada vez mais completos e o On Course é uma forma de contribuir para a qualificação e aumento da empregabilidade dos profissionais de TI”, argumenta o gerente de P&D.

Acesse: oncourse.softplan.com.br

Ideias em Ação

O programa Ideias em Ação tem como objetivo estimular os colaboradores da Softplan a propor de forma colaborativa, ideias criativas que possam ser implementadas na empresa e mudem processos e produtos. Trata-se de uma solução de inovação corporativa, desenvolvida em parceria com a Fundação CERTI e baseada em tecnologia desenvolvida pelo MIT, porém, construída com base na cultura da organização. A ideia central do programa é a busca continuada da inovação, fundamental em uma empresa de tecnologia da informação.

O Ideias em Ação funciona com base no Processo de Inovação Corporativa, desenvolvido exclusivamente para a empresa e integrado a um sistema de gestão corporativa já utilizado pelos funcionários. Neste processo, todos os profissionais podem colaborar com sugestões e interagir com os colegas, debatendo as propostas realizadas, de acordo com temas pré-definidos por um comitê gestor, formado por diretores, gerentes e colaboradores convidados, que selecionam os assuntos conforme as prioridades e direcionamento estratégico da empresa.

As ideias selecionadas ao final do processo são encaminhadas para aplicação imediata ou para a elaboração de projetos de viabilidade que, se aprovados, ficam à disposição da empresa para implementação quando a  administração julgar mais apropriado. Os colaboradores, autores dessas ideias, tem seus nomes e projetos divulgados e recebem uma premiação. As ideias não selecionadas ficam armazenadas em um repositório, denominado banco de ideias e podem ser futuramente aproveitadas pela empresa.

Prêmio Desterro
Prêmio Desterro

6º Prêmio Desterro – Festival de Dança de Florianópolis

A Softplan está patrocinando, com base de recursos da Lei Franklin Cascaes, o 6º Prêmio Desterro – Festival de Dança de Florianópolis, que ocorrerá entre os dias 26 a 30/08 no Teatro Ademir Rosa (CIC).

É o segundo ano que a empresa apoia este evento, que contará com um número recorde de bailarinos inscritos. São mais de mil bailarinos de oito estados brasileiros e do exterior.

Social Good Brasil

O Social Good é um movimento global liderado pela Fundação das Nações Unidas, Mashable, Bill & Melinda Gates Foundation, Ericsson e 92Y. Já o programa Social Good Brasil tem por objetivo principal inspirar, conectar e apoiar indivíduos e organizações para utilizarem o poder das tecnologias, novas mídias e o pensamento inovador para contribuir com a solução de problemas sociais.

A Softplan apoiou a segunda iniciativa do programa, viabilizando financeiramente o seminário e o média metragem resultante dele. Esse apoio está diretamente ligado ao propósito da empresa, que é fazer a diferença na vida das pessoas, não apenas por meio de suas soluções, mas também no apoio a iniciativas como o Social Good Brasil.

No Social Good Brasil também tivemos o reconhecimento do On Course como iniciativa de Inovação Social Oficial.

Paternidade Responsável

O projeto Paternidade Responsável visa a criação, o desenvolvimento e a divulgação da peça de teatro de fantoches “Gislaina”. Este projeto busca, através das artes cênicas, com teatro de fantoches, apresentar a peça para estudantes das escolas públicas, tratando de forma lúdica de temas como a paternidade responsável, o uso de drogas e a gravidez indesejada na adolescência. A peça será apresentada quatro vezes em cada cidade selecionada (Balneário Camboriú, Brusque, Correia Pinto e Florianópolis), totalizando dezesseis apresentações. O público alvo, portanto, são estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino de Santa Catarina e a pretensão é que seja vista por 4.000 estudantes. Além disso, será criado um CD com o áudio e um DVD com a gravação da peça e tradução em LIBRAS.

Fronteiras do Pensamento 2014

O Fronteiras do Pensamento é um projeto cultural múltiplo que, desde 2007, abre espaço para o debate sobre temas ligados a arte, mundo, pensamento, educação e ciência, apresentando filósofos, escritores, cientistas e líderes que estão, cada um a seu modo, na vanguarda em suas áreas de pesquisas e pensamento. Neste ano, em Santa Catarina, com o apoio da Softplan, o evento contará com a presença do renomado neurocientista brasileiro Miguel Nicolellis, do escritor moçambicano detentor do prêmio Camões, o mais  prestigioso da língua portuguesa, em 2013, Mia Couto, e do psicólogo, professor e colunista do New York Times, o canadense Paul Bloom.

Fio condutor da edição 2014 é a reinvenção do mundo

O ciclo de altos estudos Fronteiras do Pensamento Santa Catarina convida o neurocientista brasileiro Miguel Nicolellis, o escritor moçambicano Mia Couto e o psicólogo canadense Paul Bloom para debater temas da contemporaneidade em Florianópolis. Consolidando-se com sua quarta-edição na Ilha, o projeto acontece nos dias 25, 26 e 27 de agosto no Teatro Pedro Ivo. Como fio condutor da edição 2014 está a reinvenção do mundo.

Inventar, no sentido primitivo, significa descobrir coisas novas ou imaginar uma história. Mas para a psicologia e a filosofia modernas, atualmente, o termo ganha um novo status: da produção de uma nova síntese, de uma nova combinação de ideias que visa a um fim. Nesse sentido, inventar é o oposto de descobrir, e passa a ser o esforço de ir de um abstrato a um concreto, do todo para as partes. Abastecido de uma necessidade prévia – seja ela qual for –, o criador de conceitos se ocupa de seu contexto e do que este oferece sobre a realidade que o cerca para então poder transformá-la.

Conforme Fernando Schüler, curador do Fronteiras, “vivemos uma época de turbulência. A economia de mercado se mostrou uma fonte inigualável de progresso, mas também de desigualdades injustificáveis, privações e patologias sociais. O pensamento sistemático pode nos ajudar a enfrentar essas questões. Pode nos ajudar a reinventar o mundo a cada geração. Este é o convite do Fronteiras do Pensamento para sua edição de 2014”.

O tempo total de palestra é de uma hora e meia com espaço aberto ao público para participar com perguntas aos conferencistas. O Fronteiras do Pensamento é um projeto cultural múltiplo que aposta na liberdade de expressão intelectual e na educação de qualidade como ferramentas para o desenvolvimento. O evento reúne intelectuais renomados, nacionais e internacionais, que possuem abordagens singulares em suas áreas de conhecimento, provocando reflexão sobre tendências e ideias da atualidade.

Em 2013, com a presença do urbanista e ex-prefeito de Bogotá, Enrique Peñalosa, do físico Marcelo Gleiser e do psicanalista italiano Contardo Calligaris, o Fronteiras em Santa Catarina teve a presença de mais de 2 mil pessoas e foi considerado um sucesso pelos organizadores. Quase 200 conferências do Fronteiras do Pensamento já foram assistidas por milhares de espectadores em diversas cidades brasileiras. Com palestras durante o ano todo em, Porto Alegre e São Paulo, o projeto possui também séries especiais em Florianópolis e Salvador. O evento já contou com a participação de pensadores como o político Mario Vargas Llosa, o escritor Tom Wolfe e o sociólogo Edgar Morin. Nos palcos da edição catarinense já passaram a oceanógrafa Sylvia Earle, o filósofo Luc Ferry, a jornalista Åsne Seierstad, o escritor Fernando Gabeira, o cineasta Peter Greenaway, o filosofo Michel Onfray.

O Fronteiras do Pensamento Santa Catarina 2014 é uma realização da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. O evento tem patrocínio de Softplan, Intelbras e apoio da Tractebel Energia.

Palestrantes
25 de agosto de 2014 – Mia Couto

O moçambicano Mia Couto é um dos principais expoentes da língua portuguesa na atualidade. É um dos principais escritores do continente africano e, também, um dos mais traduzidos. Conhecido no Brasil por obras como o O Fio das Missangas, Antes de Nascer o Mundo e Terra Sonâmbula, entre tantas outras, produz uma literatura engajada com a cultura africana e com a luta do povo moçambicano pela sobrevivência. Com 27 obras publicadas incluem poesia, contos, romance e crônicas, as quais possuem vários prêmios (entre eles o prêmio Camões de 2013, considerado o mais importante e prestigioso prêmio da língua portuguesa), o autor não versa sobre um assunto específico. Ao contrário, consegue fazer sua obra ser diversificada sempre colocando elementos da sua terra natal, como a própria variante do português em Moçambique.

Sua literatura é engajada com a cultura do povo africano e de sua luta pela sobrevivência. Ao buscar elementos das mitologias tribais, das lendas e dos causos regionais, torna mais evidente a existência de um português de múltiplos léxicos em suas obras, comprovando que a língua portuguesa está em constante evolução, possuindo uma diversidade de combinações ainda não exploradas.

Pensador da alteridade e dos contrastes e, ao mesmo tempo, da celebração e das histórias, o escritor se confessa um apaixonado pelo Brasil e pelos brasileiros. Desta forma, a Aula Magna não deverá ter um tom oficial, avesso à sua personalidade. Ao contrário, Mia Couto deverá contar suas ricas histórias com jeito de conversa de visitante que chega um pouco antes do almoço: afetuoso, atento aos movimentos da casa e afeito as sensibilidades que trazem os cheiros e a luz do dia. Em suas conferências, explora os limiares da atividade intelectual humana capaz de formar, refletir e permanecer num estado de saudável inquietação: “se em Moçambique eu vivo uma realidade tão próxima da brasileira, a pergunta certa não seria por que gosto tanto de visitar o Brasil. A verdadeira pergunta seria outra: por que, vindo ao Brasil, me converto em Brasil?

Sua primeira obra, Raiz de orvalho, foi publicada em 1983, quando tinha quase 30 anos. É o único escritor africano membro da Academia Brasileira de Letras.

26 de agosto de 2014 – Miguel Nicolelis

O primeiro conferencista da edição 2014 do Fronteiras do Pensamento é Miguel Ângelo Laporta Nicolelis, considerado há alguns anos o principal candidato a ser o primeiro brasileiro ganhador de um prêmio Nobel. Um dos principais neurocientistas do mundo, Nicolelis já quebrou várias barreiras, uma delas ao ser o primeiro brasileiro a estampar a capa da revista Scienceem 2009 ao desenvolver uma terapia cirúrgica que pode ser utilizada para o tratamento de Mal de Parkinson.

Nicolelis ganhou imenso destaque em 2014, por coordenar o projeto que foi apresentado durante a aberturada da copa do mundo FIFA de 2014, quando um portador de necessidades especiais (tetraplégico) deu um chute simbólico de início da competição na Arena São Paulo (Itaquerão), com o auxílio de um exoesqueleto. Agora o desafio é fazer com que a pessoa possa fazer movimentos mais complexos. Essa pesquisa que deu destaque internacional à Nicolelis. Já em 1999 o cientista conseguiu com que um macaco movimentasse o braço de um robô apenas com o pensamento, através de um chip implantado no cérebro. Anos depois, o pesquisador fez também com que macacos pudessem controlar o andar de robôs. Esses foram os primeiros passos para a criação do projeto“andar de novo”, em que Nicolelis liderou uma equipe de dezenas de cientistas na criação de um exoesqueleto.

Nicolelis é médico e PHD e é professor de a cadeira “Anne W. Deane”de Neurociência da Universidade Duke nos EUA, dos departamentos de Neurobiologia, Engenharia Biomédica e Psicologia, e é fundador do Centro de Neuroengenharia de a Universidade Duke. Ele também é o fundador e Diretor Científico de o Instituto Internacional de Neurociência Edmond e Lily Safra em Natal, no Rio Grande do Norte. Suas pesquisas, ganhadoras de muitos prêmios, já foram publicadas nas revistas cientificas Nature, Science e Scientific American. Seu trabalho também foi comentado nas revistas Newsweek, Time e Discover.

A pesquisa do Dr. Miguel é reconhecida na Revisão do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) das Dez Melhores Tecnologias Emergentes. Ele foi nomeado entre os 50 líderes em tecnologia nos Estados Unidos pela revista Scientific American em 2004. Miguel também é membro da Academia Francesa de Ciência e da Academia Brasileira de Ciência e é autor de mais de 160 manuscritos, editou vários livros e volumes especiais de revistas científicas, e atualmente tem três patentes nos Estados Unidos.

27 de agosto de 2014 – Paul Bloom

Na segunda noite de conferências do Fronteiras do Pensamento é o psicólogo canadense Paul Bloom. Suas pesquisas exploram como as pessoas percebem o mundo físico e social, e é considerado um dos maiores teóricos sobre o aprendizado. Nesse sentido, é fácil explicar o desejo de se aquecer durante o frio, de se alimentar quando se está com fome e de se reproduzir. Essas são todas questões evolutivas necessárias para a sobrevivência da espécie.

Mais difícil de explicar é, no entanto, o gosto dos humanos pelas artes, como pintura, arquitetura e música e tão difícil quanto é explicar as diferentes sensações de prazer que uma pessoa recebe ao ser confrontado com dois produtos idênticos, sendo um deles o original e outro uma réplica. Para o usuário, ter uma boneca original dá mais prazer do que ter uma réplica da própria. Por que, por exemplo, ter uma obra de Vincent Van Gogh ou de Leonardo Da Vinci pode parar de significar qualquer coisa no momento em que quem a possui descobrir que ela é uma réplica? Onde estão as origens desse tipo de prazer humano?

Podemos partir do ponto que é sempre melhor possuir um original que uma cópia porque sempre haverá menos originais que cópias. Mas Paulo Bloom vê mais que isso, que nossas sensações estão relacionadas à nossas crenças. Um exemplo é o gosto de uma comida que está relacionada ao que achamos dela.

Atualmente, Paul Bloom é professor de psicologia de Yale e tem diversos artigos publicados em revistas científicas como Nature e Science, além de possuir colunas em diversos jornais internacionais.

Uma tarde no teatro

O teatro é fundamental na formação cultural de qualquer povo e ajuda no desenvolvimento e educação das crianças, despertando o desejo pelo conhecimento. Informa através do entretenimento de forma prazerosa e divertida. Por isso, o objetivo desse projeto é oferecer, para crianças dos primeiros anos do ensino fundamental, a oportunidade de vivenciar essa experiência, colaborando assim para seu desenvolvimento.

O projeto Uma tarde no teatro tem como objetivo principal permitir o acesso de crianças de escolas públicas da grande Florianópolis à experiência de conhecer o mundo do teatro. Essa experiência englobará três etapas:

  1. As crianças serão convidadas a assistir uma peça de teatro infantil no Teatro Ademir Rosa;
  2. Participarão, após a apresentação, de uma conversa com o diretor, produtores e atores e, finalmente;
  3. Conhecerão os bastidores dessa produção teatral.

Serão cinco sessões no teatro do CIC no horário de aula das crianças, onde serão oferecidos o transporte da escola para o teatro e de lá novamente para a escola, camisetas para identificação das crianças e lanche ao final do passeio. O projeto atenderá a 4 mil crianças matriculadas em escolas públicas da grande Florianópolis com idades entre 7 e 10 anos.

Jurerê Jazz Festival 2014

O Jurerê Jazz Festival vem se consolidando como festival de música de Florianópolis. Democrático e abrangente, pretende atingir, através das apresentações realizadas ao ar livre, o público em geral independente da classe social. Na sua quarta edição o festival tem como objetivo o intercâmbio musical entre a Camerata Florianópolis, sob a regência do maestro Jeferson Della Rocca, e o músico, cantor e compositor Lenine. Será o encontro entre a mistura de sons e efeitos do novo trabalho de Lenine com a sonoridade das mais importantes orquestras do estado de Santa Catarina.

O projeto pretende atingir aproximadamente 2.000 pessoas entre apreciadores de boa música e o público jovem e adulto em geral. O evento será gratuito  e o local de realização da apresentação será a Plataforma Zero, localizada na praia de Jurerê Internacional.

Museus Virtuais

Museus Virtuais é um projeto que une tecnologia, cultura, arte e educação, idealizado pelo Instituto Maratona Cultural e pela Fundação Centro de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI),  através de ferramentas tecnológicas disponíveis no espaço Floripa Interativa, um ambiente interativo imersivo destinado a atividades ligadas à cultura digital, localizada no parque de inovação Sapiens Parque, na Cachoeira do Bom Jesus, norte da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis.

O projeto compreende uma série de intervenções realizadas por um arte educador e tem por objetivo estimular e educar o olhar do público através do contato virtual com a cultura e a arte em geral. Por meio de uma visita guiada a museus do mundo, disponíveis no engenhoso programa Google Art Project, este arte educador conduzirá semanalmente crianças de escolas públicas da cidade em uma viagem por um tema ligado à arte. Serão 64 visitas semanais pelo prazo de um ano de alunos da rede pública municipal e uma vista mensal, por igual prazo, aberta à comunidade em geral, que acontecerá durante os fins de semana.

Nova sede da empresa

A construção da nova sede da Softplan no Sapiens Parque, reafirma o compromisso da empresa com o desenvolvimento econômico da cidade de Florianópolis, onde a empresa está sediada, e com o todo o ecossistema de Tecnologia da Informação da região. Em uma área de 435 hectares, no norte da Ilha de Santa Catarina, o Sapiens Parque é um espaço destinado à inovação concebido para promover o desenvolvimento de segmentos econômicos que já são vocações de Florianópolis, como o turismo, a tecnologia, o meio-ambiente e serviços especializada.

A Softplan investiu R$ 38 milhões na construção da nova sede da empresa, que tem uma área construída total de 28.000 m² em dois volumes. As principais preocupações do projeto arquitetônico desenvolvido foram o equilíbrio entre o trabalho e o lazer e a sustentabilidade. Para que isso se torne realidade, o prédio prevê a captação e o aproveitamento da água da chuva, o uso de um sistema inteligente de persianas que controla a entrada de luz solar visando seu máximo aproveitamento e a economia de energia elétrica. Além disso, foram priorizados a circulação de pedestres e bicicletas em detrimento dos veículos automotivos.

Grupo Solidário

O Grupo Solidário nasceu por iniciativa de colaboradores voluntários da Softplan, que se unem para promover ações de assistência social, organizando campanhas beneficentes.

A Softplan é uma das parceiras, e apoia financeiramente as campanhas, enquanto os colaboradores voluntários se reúnem e doam um pouco do seu tempo livre para promover e organizar campanhas beneficentes e participar de projetos sociais sem fins lucrativos. As campanhas promovidas têm como público-alvo as entidades que assistem crianças e idosos. Geralmente essas campanhas ocorrem em datas especiais como Campanha do Agasalho e Natal.

Entre as  principais atividades desenvolvidos pelo Grupo Solidário destacam-se:

I – Incentivar o associativismo baseado nos princípios da ajuda solidária;

II- Desenvolver, promover e administrar atividades voluntárias em creches, orfanatos, asilos, abrigos ou similares;

III – Promover a realização de atividades para a arrecadação de donativos para auxílio a entidades de caráter filantrópico, reconhecidamente idôneas, assim consideradas aquelas que prestem serviços em caráter filantropo e humanitário, sem qualquer finalidade econômica, e que estejam regulares junto aos órgãos públicos e;

IV – Promover atividades de cunho social e de entretenimento para pessoas carentes e entre os colaboradores da empresa.

Todas as informações fornecidas e coletadas por meio deste e de outros sites da Softplan/Poligraph (como nome, endereço, telefone, caminhos de navegação e outros) em hipótese alguma serão vendidas ou doadas a empresas externas para uso com fins comerciais ou para ofertas de serviços.

A confidencialidade de seus dados pessoais está absolutamente garantida. As informações coletadas ou eventualmente solicitadas pela Softplan/Poligraph serão feitas apenas com o objetivo de melhorar a relação entre a empresa e seus clientes/usuários e aprimorar nossas estratégias internas de marketing e comunicação.

Também só enviamos mensagens de correio eletrônico a pessoas que acreditamos ter escolhido receber estas mensagens. A qualquer momento, você tem o direito de optar por não receber mais nossos comunicados. Qualquer dúvida, entre em contato.